quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Medo

A luz apagou e o medo me abraçou. Deste cotidiano fétido eu clamo por socorro.
Não pelo seu socorro, pois você é incapaz de socorrer a si mesmo, sempre afogando em suas próprias lágrimas.
Meu medo é do escuro, da água, da incerteza, do brócolis, de ter medo.
Meu medo é do amanhã e não do ontem.
Medo de que percebam minha fraqueza e me esfaqueiem pelas costas.
Medo que me sepultem com vida, juntamente com outra meus sonhos.

Próxima parada: Nárnia.

Comprei uma passagem para Nárnia. Comprei apenas uma porque vou sozinho.
Seu ego não caberia naquele navio. Apenas pois aventureiros podem embarcar. Aventureiros a livros, pois é nos livros que as aventuras acontecem.
Dividirei uma cabine com Peter Pan e Sininho, a fada. Quero conversar com eles sobre amadurecimento. Se não me derem ouvidos chamo o Free Willy e Moby Dick para resolver o assunto.
A programação da viajem já está preparada: vou aprender a lutar com Pedro, para que quando eu te encontrar novamente eu não me machuque. Suzana me ensinará como me defender das tuas palavras cheias de promessas não verdadeiras.
Estou indo para Nárnia e você não foi convidado.
Quero viver o melhor tempo da minha vida e você não se encaixa nele.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A vida

Ela é como um banho de chuva, imprevisível. Não sabemos quando começa ou acaba. Ela é refrescante e podemos decidir dançar ou procurar um abrigo para se esconder.

A vida é cheia de vida e de esperanças e de mais vida.

O choro, assim como os trovões, são partes importantes, que não a deixam mais triste, apenas mais real.
Quero beber desta garrafa até o último gole. A vida é dádiva, por isso, não deve ser interferida. Nunca.

Quero acordar todas as manhãs e viver intensamente, porque a vida, a minha, é um prato intensamente saboroso e eu estou faminto.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Identidade Descomplexa

Hoje acordei bêbado, mas não de álcool.
Estou bêbado da morfina que me fazem usar todos os dias para aguentar o cotidiano.
Vesti as máscaras, as capas, as cascas, as fachadas, toda a roupagem externa, que não diz quem eu sou.
Eu sou este que escreve, apenas.
Não sou o homem difícil, trabalhador, inteligente. Não sou forte ou fraco, bonito ou feio, amante ou assexuado.
Caminho por entre os carros esperando que você me encontre. Pelo meu GPS sigo o seu caminho, para ver se me encontro, mas você é quem me dá a morfina e eu adormeço, em via pública.
Sou levado pelos carros, estraçalhado pelos conceitos fajutos que esta sociedade hipócrita vive diariamente.
Querem que eu seja tudo, menos eu mesmo e cada coisa que fazem ser, acreditam que estou sendo original. Como ser original interpretando? Serei eu ator na minha própria vida?
Diante do meu espelho quebrado, dentro do meu banheiro escuro, quando a água cai, torno-me nu, choro e canto ao mesmo tempo, sobre quem eu não sou e sobre o que eu não entendo ainda.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Outubro Rosa

Mulher bonita, que se ama, que se cuida, que me toca, que se toca.
Mulher que gera a vida, que me dá a vida, que amamenta, que banha minha existência de ternura.
Mulher que é mãe, filha, avó e professora.
Mulher que me conquista todos os dias, que me abraça e que não vai embora.
Mulher que é feminina, masculina, gay, que não é mulher ou que é mulher duas vezes.
Mulher amável, mesmo quando ingrata.
Mulher que não queremos perder jamais.

Em outubro, se toque.

#PinkOctober.

domingo, 29 de setembro de 2013

Sufocado

É possível viver sem ar, ou voar sem asas? Amamentar sem o sagrado amor pelo recém-nascido?
É possível ir a um bar e não beber, comer chocolate e não sentir sede, ver o mar da Praia do Futuro e não desejar um mergulho?
Tão imperfeito também é te ver e não poder te tocar, sabemos que dividimos o mesmo espaço geográfico e não poder correr ao teu encontro sempre que sentir vontade...
Tenho o teu número, olho o celular e desisto.
Te escrevo uma mensagem e apago.
Vivo minha vida para te dar o direito de viver a sua.

sábado, 28 de setembro de 2013

A barca de retorno

Estou sentado e vejo Niterói ficar para trás. Ele e a sua mania de ter razão.

O mar está agitado e uma criança perdeu o sorvete, que foi ao chão com o pulo que a barca deu.

Faz calor, 35°, mas abraço minhas pernas, pois dentro de mim está frio.

Esta noite seria especial.
Te mostraria meu caderno de poesias, comeríamos brigadeiro na sala, te mostraria o poder do meu corpo fervente e te ninaria para dormir. Velaria o teu sono.

Trago comigo uma certeza: Que não há certezas quando estou contigo.

Como minhas fritas com Coca. Penso em ascender um cigarro, mas eu não fumo. Me esbarro em estranhos e chego na ponta da barca.

Jogo-me.

Não apenas na baía, mas na liberdade que é viver deste lado da cidade.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

O político sou eu

Aquele que vota e que elege;
Que manipula e que mente;
O político sou eu.
Quem usa de jeitinho para conseguir o que quer;
Quem estupra o direito alheio em favor do seu;
Quem dorme tranquilo com isso tudo;
Esse político sou eu.
Quem usa de bandeiras minoritárias para se promover;
Quem até no silêncio influência;
Quem fura filas, não usa o cinto e passa no sinal vermelho;
Esse político sou nós.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Carta para Roma

Da capital fluminense escrevo para ti, mulher estrangeira. Que me desprezas com teu gingado, que me rejeitas com tua beleza, e que me acorrentas com teu amor não dado.
Não há harmonia ou contentamento sem tua companhia. Subo e desço a orla, entro e saio de museus e restaurantes e por mais que amizades eu faça, sempre haverá um lugar ao meu lado, que é teu.
Justamente por isso, que te enojas de mim. Gostas do homem cruel. Que te come com roupa e que não te beija a boca ao acordar.
Que não te faz surpresas,  nem te diz coisas bonitas. Que não te percebe, mas assim te cativas.
No coração não mandamos, é o que dizem. Perdoe-me estrangeira, por um amor tão bobo morar em meu peito.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Até.

Já fui. Estou abordo do vôo da solidão, mas não de uma solidão triste e sofrida. Solidão por não ter você.
Telma e Louise sentaram ao meu lado e planejam um assalto ao Cristo.
Está viagem pode não ter volta, pois é para o dentro do meu eu. Meu cardiologista quem indicou, disse que eu estava sofrendo por amor.
Sofro sim e sofro com força.
Me mandaram tirar até as calças para que eu não embarcasse, mas está viagem guiará a minha nova existência.
Até algum dia. Saiba que sempre te amarei, voltando ou não.
Até.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

5 minutos

Sem tempo de falar contigo.
Sem tempo para ouvir nossa canção.
Sem tempo para te dar bom dia e como isso dói - a Gal sabe.
Sem tempo de perguntar seus segredos.
Sem tempo de te ligar.
Sem tempo de comprar algo para você.
Sem tempo de te fazer qualquer surpresa.
Sem tempo de brigar com você, mesmo de mentirinha.
Sem tempo de te te dizer o quanto gosto de você.
Sem tempo de continuar esta postagem.
Sem tempo de desativar meu pensamento, pois todo ele é sobre você.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Público e Privado

Nossas confidências estão rabiscadas no muro da Sé, em uma versão de Pedro Bial, com direito a protetor solar.

Ele falou do beijo que te dei enquanto dirigias.

Todos podem ver nossos encontros e brincadeiras, está tudo lá, debaixo de chuva.

Uma freira salesiana viu na parede o que fizemos no sábado e contou para sua superiora. Agora irão nos mandar para o confessionário e nos aplicarão punições.

O que era só nosso foi compartilhado indevidamente e agora até o Seu Joaquim sabe do nosso banho de chuva no chuveiro - meio quente, meio frio.

Com esta violação global resolvi nadar contra a maré e guardar elementos comuns como se fossem segredos: Onde comemos, os atalhos que pegamos no trânsito, o seu gosto peculiar por sombras e camarões.

Serão esses, pois, meus mistérios agora.
Guardo um segredo maior, mas esse, um dia meu coração há de contar somente para o teu.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Cavalo alado

Fugir para as colinas é algo que vc nunca me verá fazer.
A civilização já existia antes de vc chegar.
Seus padrões empurrados goela abaixo não me fizeram bem, mas adoeci.
Não me arrependo de nada que faço, mas por favor, arrependa-se você e volte no tempo e não volte pra mim!

E se...

Se eu te dissesse que quero casar?
Que vc é a pessoa mais apaixonante que encontrei na vida?
Que já pensei em nossos filhos?
Que a vida era confusa até vc chegar...
Que as músicas da Clarice Falcão me inspiram mais que Caetano e que sou tão inconstante que todo o meu amor pode durar só por mais 5 minutos.
Se eu te dissesse que olho o seu celular quando vc não está olhando e que passo perfume quando vc vai ao banheiro?
Se eu te dissesse "eu te amo" e me arrependesse de manhã?
Se eu quisesse ver minha série favorita ao seu lado e apertasse suas mão sempre que a vida me fizesse careta?
Se eu te dissesse que faço planos até para se vestir embora vc não planeje nem o seu futuro?
Se eu ficasse calado e vc nunca soubesse de nada disso?
E se eu caminhasse ao seu lado na areia da praia e conversássemos sem falar palavra alguma?

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Teu cheiro

Já faz algumas horas, mas ele ainda está em mim.
Teu perfume é uma energia enigmática que me levou a outra dimensão por quase 24h intensas.
As lembranças dançam em minha mente, elas são uma distração, uma diversão, momentos de prazer.
Saí detrás das colinas, onde colhem morangos frescos e habita o silêncio para ver o mar.
Há riqueza no mar. Tesouros por todos os cômodos e por mais desconfortante que seja comungar com um estilo de vida tão diferente para um camponês, decidi contar pedrinhas na areia.
Não sei como será o próximo nascer do sol. O expresso da vida pode me levar a qualquer lugar, mas enquanto sinto o teu cheiro, é contigo que eu quero estar, pois ele me lembra de um tempo em que fomos livres e só a beleza da vida nos consumia.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Mochileiro

Juntei as minhas coisas. Caminho pelas ruas com elas nas minhas costas.
Não busco conhecer o mundo, mas a vida em sua pluralidade mais abstrata.
Desafiar meu corpo a ficar acordado por mais tempo, desafiar meu senso de direção caminhando na floresta, desafiar meu coração em novos relacionamentos e desafiar a minha fé, crendo em Deus de forma incondicional.
Você é minha bússola, o tesouro da Arca Perdida que eu não encontro.
Carrego todas as lembranças, menos o temor.
Cansei daqui. Quero algo novo.
Não tenho um mapa, só sigo meu instinto.
Se eu não encontrar você, não ficarei destruído.
Continuarei procurando até os confins da Terra.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Utopia

Guarde
Seus bombons, flores e anel.
Guarde
Suas poesias, seu carinho e seu pescoço cheiroso.
Me esconda seus sentimentos ternos e seu sorriso salvador.
Não compartilhe comigo suas surpresas e nem pense em segurar minha mão se eu temer.
Preciso voltar a mim, pensar em governo e política.
Me dar conta que o Universo não se limita a ti.
Preciso trabalhar e ajudar alguém necessitado. Jogar futebol na praia e até lavar meu carro.
Mas se de noite, antes de dormir, eu pensar em ti com amor, tomo um lexotan.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Au revoir

Sozinho na parada de ônibus.
Quanto mais o espero, menos ele chega.
Quem me acompanha é a loucura, a insanidade e o desespero.
Lembranças em conflito.
O mesmo rio que velou nosso amor, nos recebeu dentro de si e no escuro, trocamos confidências e nos amamos.
Este rio também testemunhou minha partida e ouviu as tuas desculpas esfarrapadas para me deixar ir.
Quanto mais você falava, mais abria um buraco no meu coração.
O ônibus ainda não chegou e a mulher que vende o churrasco mexe no cabelo.
Estávamos jantando marshmallows no cinema quando você me convidou para morar contigo.
O marshmallow acabou.
O filme eu não entendi.
Meu ônibus chegou.
E para ti, nunca estive aqui.

domingo, 25 de agosto de 2013

Fica.

"-Eu nunca me apeguei a lugar algum." John Smith.
"-Pode se apegar aqui." Pocahontas.

"-Prefiro morrer amanhã, do que viver 100 anos sem tê-la conhecido." John Smith

domingo, 18 de agosto de 2013

Sábado no Parque

Ninguém sabe o valor ou o sabor de um abraço até experimentá-lo por horas.
Debaixo do luar de agosto velei teu sono.
As árvores vermelhas são minhas testemunhas que até o rio correu mais rápido apenas para que cada pedaço dele nos reverenciasse com seu frescor.
Ao lado de olhares alucinados fui teu e sem qualquer cerimônia você me beijou.
Teu cheiro ainda guardo na caixa de memórias do meu coração...

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Triste amor

Me perguntaram por que só escrevo sobre tristeza. Respondi com outra pergunta: acaso há coisa mais triste que a felicidade?
Ela nos enche de sentimentos de saudades mesmo quando está tudo acontecendo naquele instante.
Um fim de tarde abraçado com a pessoa amada, é triste.
Tempo com a família, ouvir as primeiras palavras de um bebê... É tão belo, que nunca iremos querer esquecer. Já virou lembrança, passado, tristeza.
Casais de namorados, casamentos, aniversários supresa e até o simples fato de compartilhar do silêncio com alguém.
Tudo é lindo, eterno, intensamente reconfortante como uma bebida quente em um dia frio. Logo, é triste, melancólico, alucinante.
Amar e sofrer dividem o mesmo apartamento no alto da serra.
A vista de lá é linda.
Escrevo sobre tristeza, minha cara, por que vejo amor em tudo e amo intensamente.

sábado, 27 de julho de 2013

Eu, negro.

Debaixo do sol da cidade insana estou eu, olhando para os transeuntes, que devolvem o olhar com uma careta, uma tentativa fracassada de me menosprezar.
Levo um jornal debaixo do braço, o Times foi banhado com o leite da vaca louca. O mesmo leite que banhou a maioria das publicações da banca.
A disputa por ser melhor não me afeta mais. Sou encharcado pela consciência de quem sou e minha negritude me faz feliz.
Sou forte. Sou negro. Sou parte de um Brasil europeu.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Esconder

A gente brinca na rua, corre na calçada e sobe no muro,
Mas no fim do dia a gente vai pra casa.

Beijar na boca, entrar em uma briga e não contar pra ninguém,
Se apaixonar e depois morrer de chorar
Mas no fim do dia vai no leito ninar.

A proteção e a fuga tiveram um caso no dia em que nasci.
Elas se completas, são essenciais.

Que você seja minha mãe, meu pai, meu quarto de repouso.
Seja meu lugar secreto, meu esconderijo.
Onde me escondo da vergonha e renovo as minhas forças.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Este não é o meu mundo

Me trouxeram enquanto eu estava de olhos fechados fazendo orações. Quando dei por mim havia um novo"eu" que governava com o pretexto de "nós". Tudo era uma questão política e de ponto de vista religioso.

O que eles não sabem é que dentro de cada ação programada há uma reação que nunca poderá ser contida.

Indiferença entre classes religiosas e apologias ao grotesco.
Como uma fábrica de insônia, eles roubam nossos sonhos. Todos os dias, em canal aberto.

Apreciar a chuva, segurando um pano frio e confortável de colocar no rosto. De barriga cheia. Segurando uma chupeta. Essa é uma das lembranças que me restam.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Helena

Helena de Tróia, suba em meu barco.
Helena dos sete mares, deixe-me te amar.
Mostrar-te cidades distantes,
Longe de sua civilidade precária,  mas apaixonante.

Venha Helena, há vida além da fronteira.
Sua cultura não pode ser a única porção mágica no universo.

Admiro tua força de lutar contra o incerto.
Teus cabelos revoltos ao vento me atraem, como o canto da sereia.
Helena mitológica, misteriosa.
Helena amorosa, companheira.

Desejo mais que teu corpo, desejo possuir a tua mente.
Que nossas vidas se entrelacem a ponto de não distinguirmos nossas não semelhanças.
Vem pra mim.
Sou teu porto.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Sequestro

Ser refém.
Do acaso.
Das pessoas.
De ti.

Não tenho mais minha vida como minha, pois ao teu chamar, largo tudo e corro ao teu encontro.

Me perco de mim.
Me troco pela tua mísera atenção.
Mendigo do teu amor.
Isso me faz viver.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Amigos de trabalho

Incrível como vocês fazem parte da minha vida.
Como se tornaram referência.
Nunca vou olhar pro Oasis da mesma forma, nunca vou ouvir a palavra "brush" da mesma forma e até quando ouvir a palavra "treme", ela virá acompanhada de uma batida ímpar, guiada pela voz de uma simpática senhora.
Esses amigos se transformaram em família, diante das horas que passamos juntos.
O amor que sinto por eles é pra toda a vida.
Nunca hei de esquecê-los.

sábado, 22 de junho de 2013

Olhos de Fauno

Chovia, e por isso, não usava os meus óculos. Estava desprotegido dos teus.
Vieste com teus olhos de Fauno, um olhar canalha.
Quando dei por mim, te encarava.

Não sei como alguém pode simplesmente mergulhar no azul, mas foi o que fiz.

Meus olhos me traíram, e sem perceber, a ti jurava o amor eterno.

Mas de ti eu corri.
Fugi antes que fosse tarde.
Agora só o que tenho de ti é a lembrança.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Alone

To live Alone is so hard.
Is dark.
Cold.
Who says "bye, bye" to us in this time is more Alone than me.
For me, this is a little time.
I can see the light.
And I will to walk for this.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Frio

Pingos, ventos e muito barulho.
De onde estou eu vejo a cidade mal amparada.
A falta de guarda-chuva reflete a falta de fé das pessoas em si mesmas.
Caminho um pouco e tudo o que vejo é engarrafamento.
De sonhos, de pensamentos e até de carros.
Paralisados estamos.
Mas no alto da montanha há esperança.
Lá, a chuva é menos agressiva, os alagamentos são menores e os engarrafamentos nem existem.
É ali que ficam as mansões e lá não podemos subir.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Calor

Era este o teu corpo?
Pra mim ele está coberto da ternura dos Deuses.
Belo, liso, firme.

Como energias conflitantes, sou coberto de choque ao te tocar.
E como um uma represa, tu sugas as minhas forças mais profundas.
Tornei-me teu.
Vulnerável.

Entre teus cabelos, braços e as músicas de Caetano me reencontro e me redescubro.
Gosto sempre do que encontro.

Perpetuaremos nossa cumplicidade e sempre no virar do dia serei o teu refém, teu amigo e o teu amante.

Coragem

A força que nos impulsiona.
Que nos leva para o bem, para Deus.
Morrer um dia será inevitável, mas a morte nunca será uma resposta às minhas angústias.

Morte.
Ninguém gosta do seu nome.
Eu poderia gritar por ti, mas prefiro a vida.

Vida linda.
Vida forte e eterna.
Vida que me traz o amor.
Vida que me trouxe você.

Para um amigo

O que aconteceu? Quando tudo desabou?
Nossa comunhão foi substituída pela desconfiança.
Abalada está a nossa fé.

Vamos voltar à nossa antiga casa.
Onde brincávamos de heróis e nada era perigoso.
Nós rimos até nos esquecermos de quem éramos.

Você é um bom amigo.
Eu daria minha vida pela sua.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

For a friend

What happened? When it all collapsed?
Our fellowship was replaced by suspicion.
Our faith is shaken.

Let's go back to our old house.
Where we played heroes and nothing in it was dangerous.
We laughed until we forget who we were.

You are a good friend.
I would give my life for yours.

Bem

Dengo, meu Dengo. Denguinho.
Delícia.
Amor, tesão, meu xodó.
Vida, meu bem, Mô...
Carinho, nenem, meu bebê.
Baby, honey, darling, my love, sweet.
Amoreco, chuchuzinho, thuthuco.

Teu nome não existe mais, só como eu te vejo, como eu te sinto e como eu te percebo.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Ventania do silêncio

O fim de tarde se foi e esta era a minha hora preferida do dia por muito tempo.
Minhas elucubrações eram baseadas nestes momentos de solidão.
O raiar do sol me enoja, pois me força a sair da cama e te encarar.
Você veio e ficou até a noitinha e perdi minha hora, meu tempo, meus pensamentos.
Você veio e me perdi.

Não me encontro mais nos livros, no rádio e nem nas fotografias.
Você levou tudo de mim.
Mas apesar do desnorteio que me encontro, não soluço por ti.

Encontrarei outra pessoa que seja tão digna quanto Marilyn Monroe e construiremos algo juntos.
Afinal, Marilyn deve ter sido ventania na vida de alguém.
Juntaremos nossas bagagens e histórias em outra hora do dia sem ser no fim do dia.

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Correndo pelas cores da memória

Te encontrei pela manhã, enquanto tomava meu café.
Lembrei da praia da Taíba e de como entendi que estava apaixonado.
As agitações no trânsito, enquanto voltava para casa, não me conseguiram tirar a minha atenção de você.

As ondas quebravam no muro da minha descrença e na areia escrevi teu nome.
Não importa como nossas vidas foram divididas.
Como o Mar Vermelho, depois da travessia as águas voltaram a se encontrar.

Não tenho esperanças de te ver de novo.
Não queremos nos ver de novo.

O que vivemos naquela praia ficará lá para sempre.
Como um tesouro pirata, o mapa de fuga está tatuado em nosso peito.

Caminho sozinho

Não segure minha mão, seu vão marginal.
Cansei de ouvir teus choros fingidos e tuas meias verdades.

Caminho sozinho, pois tua companhia me rouba de mim mesmo.

Estar só é doloroso, triste, depressivo...
Estar com você é bem pior, pois o colorido do mundo é banal.

Agora, ao menos, posso ver solidez nestes tons de cinzas.

Sete sacolas da Dior estão cheias

Sete sacolas da Dior estão cheias.
A menina que me entregou sujou-a com sangue, mas este não era seu:
Pertencia às consumistas que passaram por ali.

Sete sacolas da Dior estão cheias e eu nem posso carregá-las.
Meu segurança está mais interessado em sua família do que no salário de fome que eu lhe pago.

Sete sacolas da Dior estão cheias e só há cabeças dentro delas.
Pequenas e grandes, mas sempre cabeças. Sem sonhos, mas cabeças.
Sem vontade própria.

Sete sacolas da Dior estão cheias e caminho com dificuldade.
Se tivesse outra mão, teria mais sacolas.
Haveria mais sangue derramado e outras cabeças dentro delas.

terça-feira, 23 de abril de 2013

O lado bom da vida

Vamos filosofar? Não mesmo!

Mermão, a vida é difícil, embora se juntarmos, o que resulta é um prédio bem alto.
Sempre teremos problemas, galera. O Eike Batista tem problemas. A Xuxa tem problemas. O Papa tem problemas... Mas e aí, você vai ficar chorando?

Querido, o copo sempre estará meio cheio e o download quase concluído, depende de quem os vê.
Se a bomba estourou ou o tsunami destruiu o seu vale de emoções é para que você tire boas conclusões disso tudo. Ou apenas chore, porque chorar é muito bom. Compre um CD da Adele, uns bons salgadinhos e chore a tarde toda.

Mas de noite, vista uma roupa nova e vá ser feliz!
De preferência, se for dirigir não beba.

=)

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Greetings in English


Thinking of friends who do not speak Portuguese, I will accept the help of Google and I'll write a little English.

Yes, I'm fine. I'm working on writing for a producer of shows here in Fortaleza. Writing projects. There, I am also producer - that's pretty cool. Can organize parties and meet famous people.

I'm living with my parents. We live outside the city: It's a quiet place, very quiet.

I am doing a Graduate. Study "Theories of Communication and Image." It is very difficult because the readings are heavy.

'm Not dating - Interested people can send me an email - hehehe.

I've written some short stories and hopefully a book coming soon.

My life goes on changing. Many friends getting married and I still do not know if I should get married, or buy a bike.

That's it for now.

Miss you, English, Welsh, German, Irish, Finnish and other foreigners.

God bless you!

Hello - Kitty!

Após 2 anos sem dar um oi pra ninguém, meu blog tah de volta.

Um aviso aos novos navegantes, conseguimos fazer uma parceria com a Apple, Microsoft e derivados "E" conseguimos colocar em todos os navegadores um "botão" que geralmente é vermelho e tem um "x". Caso vc não goste ou discorde de Quaisquer coisas que eu escreva, basta clicar nesse botão mágico que seus problemas estarão resolvidos.

Minha proposta é a seguinte: Postar umas belezinhas que eu penso/faço para compartilhar com ozamigo. Tem gente que eu mal vejo e que não tem Facebook ou que não sabe usar...

Postarei notícias, palhaçadas, pensamentos e coisas desagradáveis. Enfim: Bem-vindos ao meu mundo.

A gente se vê.