sábado, 27 de julho de 2013

Eu, negro.

Debaixo do sol da cidade insana estou eu, olhando para os transeuntes, que devolvem o olhar com uma careta, uma tentativa fracassada de me menosprezar.
Levo um jornal debaixo do braço, o Times foi banhado com o leite da vaca louca. O mesmo leite que banhou a maioria das publicações da banca.
A disputa por ser melhor não me afeta mais. Sou encharcado pela consciência de quem sou e minha negritude me faz feliz.
Sou forte. Sou negro. Sou parte de um Brasil europeu.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Esconder

A gente brinca na rua, corre na calçada e sobe no muro,
Mas no fim do dia a gente vai pra casa.

Beijar na boca, entrar em uma briga e não contar pra ninguém,
Se apaixonar e depois morrer de chorar
Mas no fim do dia vai no leito ninar.

A proteção e a fuga tiveram um caso no dia em que nasci.
Elas se completas, são essenciais.

Que você seja minha mãe, meu pai, meu quarto de repouso.
Seja meu lugar secreto, meu esconderijo.
Onde me escondo da vergonha e renovo as minhas forças.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Este não é o meu mundo

Me trouxeram enquanto eu estava de olhos fechados fazendo orações. Quando dei por mim havia um novo"eu" que governava com o pretexto de "nós". Tudo era uma questão política e de ponto de vista religioso.

O que eles não sabem é que dentro de cada ação programada há uma reação que nunca poderá ser contida.

Indiferença entre classes religiosas e apologias ao grotesco.
Como uma fábrica de insônia, eles roubam nossos sonhos. Todos os dias, em canal aberto.

Apreciar a chuva, segurando um pano frio e confortável de colocar no rosto. De barriga cheia. Segurando uma chupeta. Essa é uma das lembranças que me restam.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Helena

Helena de Tróia, suba em meu barco.
Helena dos sete mares, deixe-me te amar.
Mostrar-te cidades distantes,
Longe de sua civilidade precária,  mas apaixonante.

Venha Helena, há vida além da fronteira.
Sua cultura não pode ser a única porção mágica no universo.

Admiro tua força de lutar contra o incerto.
Teus cabelos revoltos ao vento me atraem, como o canto da sereia.
Helena mitológica, misteriosa.
Helena amorosa, companheira.

Desejo mais que teu corpo, desejo possuir a tua mente.
Que nossas vidas se entrelacem a ponto de não distinguirmos nossas não semelhanças.
Vem pra mim.
Sou teu porto.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Sequestro

Ser refém.
Do acaso.
Das pessoas.
De ti.

Não tenho mais minha vida como minha, pois ao teu chamar, largo tudo e corro ao teu encontro.

Me perco de mim.
Me troco pela tua mísera atenção.
Mendigo do teu amor.
Isso me faz viver.